• CONTENT

Fixação segura: 10 dicas para você utilizar no seu trabalho

14/08/2018 12:11
 fixacao-segura-10-dicas-para-voce-utilizar-no-seu-trabalho | Blog

Preparamos 10 dicas que o ajudarão em seus projetos e o permitirão realizar uma fixação segura.

 

Prezar pela segurança dos fixadores, seja em uma linha de produção, seja na aplicação de produtos e projetos, é de essencial importância. Uma vez que os fixadores são os elementos de união e suporte de peças, encaixes, manter a segurança evita problemas de qualidade e também do pessoal envolvido.

 

Por isso, listamos algumas dicas importantes para garantir uma fixação segura de seus parafusos, porcas e arruelas.

 

1. Tamanho e grau

 

No universo da fixação, tamanho não é documento. Parafusos de grau elevado não são necessariamente melhores que outros de grau mais baixo. Tudo depende da relação do grau com o tamanho.

 

Se você selecionar o tamanho e a graduação ideais para o projeto, então você estará um passo à frente para uma fixação segura de todos os elementos. O tamanho e a força de resistência da graduação do parafuso podem agir de forma positiva ou negativa, afetando a resistência à carga do parafuso.

 

É possível utilizar um parafuso grande de grau menor ou um parafuso pequeno de grau maior. Tudo depende da aplicação.

 

2. Evitando o afrouxamento

 

Uma das principais causas dos parafusos se soltarem é o afrouxamento. O afrouxamento pode ocorrer diversas maneiras, dentre elas:

 

• Deformação em decorrência da pressão do torque ou temperaturas elevadas;
• Relaxamento quando materiais (compósitos ou polímeros) se tornam compactos;
• Aplicação em superfícies ásperas ou irregulares.

 

Para compensar o afrouxamento é necessário introduzir certa elasticidade na conexão parafusada, utilizando elementos como porcas auto travantes, arruelas serrilhadas, e também, priorizando superfícies lisas e duras.

 

3. Lubrificação

 

lubrificação de parafusos e outros fixadores é de extrema importância. Mesmo assim, muitas empresas e profissionais deixam de lubrificar peças, juntas e conexões, permitindo o agravamento de diversos problemas.

 

A lubrificação de fixadores reduz a razão torque/carga, além de reduzir o atrito das peças. É interessante lubrificar algumas partes da conexão, como a parte rosqueada do parafuso, a porca e a cabeça do parafuso.

 

Para garantir uma fixação segura, antes de lubrificar verifique alguns pontos como a composição química, coeficiente de atrito e faixas de temperatura.

 

4. Aplicação e manutenção

 

Reduzir custos de fabricação é muito importante no universo industrial. Porém, é preciso pensar nos custos a longo prazo. Selecionando os fixadores certos para a aplicação reduz os gastos futuros com manutenção.

 

5. Revestimentos (banhos)

 

Os revestimentos elevam o desempenho do fixador, seja para proteger contra a corrosão, reduzir atrito ou mesmo para criar um valor estético no material. Existem diversos tipos de revestimentos utilizados em parafusos, porcas, arruelas e outros fixadores.

 

Ainda sim, priorize a escolha do revestimento ideal pensando na proteção contra a corrosão, no atrito e por último na estética.

 

6. Produtos com procedência

 

A segurança dos fixadores utilizados em qualquer tipo de aplicação, seja industrial, seja na construção civil, depende da forma como estes fixadores foram fabricados, revestidos, armazenados e transportados.

 

Por isso, é importante valorizar fixadores de ótima procedência, priorizando fornecedores competentes e certificados.

 

7. Qualidade e aplicação

 

É necessário escolher fixadores de qualidade que se adequam às exigências da aplicação. O mesmo fixador pode ser perfeito para uma aplicação e não para outra. Tudo depende do ambiente em que será aplicado, bem como a carga, torque e temperatura que será submetido.

 

Por isso, é sempre importante trabalhar em parceria com fornecedores experientes, que possam indicar fixadores e revestimentos, bem como tirar dúvidas e auxiliar na resolução de problemas. Priorize fornecedores que garantam uma fixação segura de seus produtos.

 

8. Primeiro pense na corrosão

 

Nenhum metal derivado de ferro ou aço fica livre da oxidação e desintegração quando entra em contato com a água e o oxigênio. A corrosão é o principal vilão no mundo dos fixadores. A corrosão é inevitável, mas seu processo pode ser desacelerado.

 

Além do uso de revestimentos anticorrosivos, é possível utilizar a chamada proteção catódica: onde um material (menos nobre) se sacrifica em lugar do outro.

 

9. Lubrificar antes de reutilizar

 

substituição de fixadores é sempre mais interessante do que sua reutilização. Entretanto, há momentos em que não é possível trocar todos os elementos de determinada peça ou máquina. Assim, caso a reutilização se faça necessária, lubrifique o fixador.

 

A lubrificação além de proteger contra a corrosão, facilita a remoção e inserção da rosca caso esta esteja levemente danificada.

 

10. Cuidados com o aperto

 

Todo aperto aplicado no fixador deve ser feito sempre respeitando seus limites. Parafusos que não foram desenvolvidos para resistir grandes pressões, podem espanar, ter sua rosca danificada e comprometer toda a junção.

 

Por isso, é importante prestar atenção na capacidade do fixador de suportar cargas estáticas e dinâmicas. Há fixadores capazes de suportar grandes cargas quando estáticos, enquanto outros são capazes de resistir a vibrações constantes.

 

Segurança em primeiro lugar

 

Independente do tipo de fixador que pretende utilizar, pensar em todos esses aspectos faz grande diferença para garantir uma fixação segura. Na dúvida, entre em contato com empresas especializadas em elementos de fixação.

Galeria de fotos
Comentários icone comentários 0 Comentários
Deixe seu comentário!
Leia Mais Matérias
Parafuso: Onde surgiu? | Blog

Parafuso: Onde surgiu?

Existem algumas teorias a respeito do surgimento do parafuso e quem seria seu inventor. Uma delas indica que o grego Arquitas de Tarento o teria...

Ver Mais
SOLICITE SEU ORÇAMENTO